10 dezembro, 2011

Novo Blog! (novo nome)

Sim novo blog por que infelizmente eu conseguir “acabar” com o HTML do outro, mas que fique claro... A M O por D E M A I S.

E U T O S O N H A N D O A C O R D A D A

Então cá estou eu!

Esses dias tenho pensado tanto “no que fazer” “como fazer” “por onde começar”...

Esse tipo de coisa... Ainda mais quando chega fim de ano fica pior esse pensar todo.

Pensar em andar com as próprias pernas “na minha visão” não parece ser tãooo difícil, é claro que complicações sempre irão existir, mas NÃO tentar é pior ainda.

Por que ai você vai adiando, adiando, adiando e quando “perceber” você não viveu 100% para você. Viveu tantos por centos para você e mais outra metade para os outros.

O que to tentando dizer é que se a gente não der o tal do primeiro passo, vai ficando cada vez mais complicado.

Preciso sim, preciso tanto de alguém que aceite tanto meus sonos demorados quanto minhas insônias insuportáveis. tanto meu ciclo ascético Francisco de Assis quanto meu ciclo etílico bukovskiano. que me desperte com um beijo, abra a janela para o sol ou a penumbra. tanto faz, e sem dizer nada me diga o tempo inteiro alguma coisa como eu sou o outro ser ao conjunto teu, mas não sou tu, e quero adoçar tua vida. preciso do teu beijo de mel na minha boca de areia seca, preciso da tua mão de seda no couro da minha mão crispada de solidão. preciso dessa emoção que os antigos chamavam de amor, quando sexo não era morte e as pessoas não tinham medo disso que fazia a gente dissolver o próprio ego no ego do outro e misturar coxas e espíritos no fundo do outro-você, outro-espelho, outro-igual-sedento-de-não-solidão, bicho carente, tigre e lótus.

Caio F. Abreu

23 novembro, 2011

09 novembro, 2011

Me mande mentalmente coisas boas. Estou tendo uns dias difíceis ? mas nada, nada de grave. Dias escuros sem sorrisos, sem risadas de verdade. Dias tristes, vontade de fazer nada, só dormir. Dormir porque o mundo dos sonhos é melhor, porque meus desejos valem de algo, dormir porque não há tormentos enquanto sonho, e eu posso tornar tudo realidade. Quando acordo, vejo que meus sonhos não passam disso, sonhos; e é assim que cada dia começa: desejando que não tivesse começado, desejando viver no mundo dos sonhos, ou transformar meu mundo real num lugar que eu possa viver, não sobreviver.
Caio F. Abreu


Eu sei que em um momento "vão" sentir falta.
Falta do que não fez.

Dizem que a gente tem o que precisa. Não o que a gente quer. Tudo bem. Eu não preciso de muito. Eu não quero muito. Eu quero mais. Mais paz. Mais saúde. Mais dinheiro. Mais poesia. Mais verdade. Mais harmonia. Mais noites bem dormidas. Mais noites em claro. Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais.
Caio F. Abreu

19 outubro, 2011


Dizem que o tempo cura tudo.
Até seja verdade, por mais que demore..
O tempo passou e nós... Ah! Nós mudamos e isso é bom, saber que seguimos caminhos diferentes e estamos feliz.
Quando pequena sempre achei que aos 18 anos iria conquistar o mundo, o “meu mundo” e quando cheguei aos 18 vi que não era bem assim.
Então comecei á pensar que a cada ano eu iria ter a “minha” conquista.
Mais foi se passando ano após ano e pouca coisa mudou. Admito que eu ainda não mudei como queria.
Botar algumas coisas em prática ás vezes custa tanto.
Reconstruir algo... Custa tanto.
Olhar para trás ás vezes é bom se torna um aprendizado. Mas tem certas coisas que gostaria de ter o poder de excluir das minhas lembranças.

O meu passado é tudo quanto não consegui ser. Nem as sensações de momentos idos me são saudosas: o que se sente exige o momento; passado este, há um virar de página e a história continua, mas não o texto.

24 setembro, 2011

Vai passar, tu sabes que vai passar.
Talvez não amanhã, mas dentro de uma semana, um mês ou dois, quem sabe?
O verão está aí, haverá sol quase todos os dias, e sempre resta essa coisa chamada “impulso vital”.
Pois esse impulso ás vezes cruel, porque não permite que nenhuma dor insista por muito tempo, te empurrará quem sabe para o sol, para o mar, para uma nova estrada qualquer e, de repente, no meio de uma frase ou de um movimento, te surpreenderás pensando algo como “estou contente outra vez”.
Ou simplesmente “continuo”, porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloquentes como “sempre” ou “nunca”.
Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas.
Já não tentamos o suicídio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns sim - nós, não.
Contidamente, continuamos. E substituímos expressões fatais como “não resistirei” por outras mais mansas, como “sei que vai passar”.
Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência.”

Caio F. Abreu

19 setembro, 2011

Quando eu estou aqui
Eu vivo esse momento lindo
Olhando pra você
E as mesmas emoções
Sentindo...

São tantas já vividas
São momentos
Que eu não me esqueci
Detalhes de uma vida
Histórias que eu contei aqui...

Amigos eu ganhei
Saudades eu senti partindo
E às vezes eu deixei
Você me ver chorar sorrindo...

Sei tudo que o amor
É capaz de me dar
Eu sei já sofri
Mas não deixo de amar
Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi...

São tantas já vividas
São momentos
Que eu não me esqueci
Detalhes de uma vida
Histórias que eu contei aqui...

Mas eu estou aqui
Vivendo esse momento lindo
De frente pra você
E as emoções se repetindo
Em paz com a vida
E o que ela me traz
Na fé que me faz
Otimista demais
Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi...

Se chorei ou se sorri
O importante
É que emoções eu vivi...

E hoje é meu enervesário, então parabéns aos meus 22 anos :)

23 agosto, 2011

Divã

Martha Medeiros



Sou eu que começo? Não sei bem o que dizer sobre mim.

Não me sinto uma mulher como as outras. Por exemplo, odeio falar sobre crianças, empregadas e liquidações. Tenho vontade de cometer haraquiri quando me convidam para um chá de fraldas e me sinto esquisita à beça usando um lencinho amarrado no pescoço.

Mas segui todos os mandamentos de uma boa menina:
brinquei de boneca, tive medo do escuro e fiquei nervosa com o primeiro beijo. Quem me vê caminhando na rua, de salto alto e delineador, jura que sou tão feminina quanto as outras: ninguém desconfia do meu hermafroditismo cerebral. Adoro massas cinzentas, detesto cor-de-rosa. Penso como um homem, mas sinto como mulher. Não me considero vítima de nada. Sou autoritária, teimosa e um verdadeiro desastre na cozinha. Peça para eu arrumar uma cama e estrague meu dia. Vida doméstica é para os gatos.

Nossa, pareço uma metralhadora disparando informações como se estivesse preenchendo um cadastro para arranjar marido. Ponha na conta da ansiedade. A propósito, tenho marido e tenho três filhos.
Sou professora, lecionei por muitos anos em duas escolas, mas depois passei a me dedicar apenas às aulas particulares, ganho melhor e sobra tempo para me dedicar à minha verdadeira vocação, que são as artes plásticas. Gosto muito de pintar, montei um pequeno ateliê dentro do meu apartamento, ali eu me tranco e é onde eu consigo me encontrar. Vivo cercada de pessoas, mas nunca somos nós mesmos na presença de testemunhas.

Às vezes me sinto uma mulher mascarada, como se desempenhasse um papel em sociedade só para se sentir integrada, fazendo parte do mundo. Outras vezes acho que não é nada disso, hospedo em mim uma natureza contestadora e aonde quer que eu vá ela está comigo, só que sou bem-educada e não compro briga à toa. Enfim, parece tudo muito normal, mas há uma voz interna que anda me dizendo: "Você não perde por esperar, Mercedes." É como se eu tivesse, além de uma consciência oficial, também uma consciência paralela, e ela soubesse que não vou segurar minhas ambiguidades por muito tempo.
Tenho um cérebro masculino, como lhe disse, mas isso não interfere na minha sexualidade, que é bem ortodoxa. Já o coração sempre foi gelatinoso, me deixa com as pernas frouxas diante de qualquer um que me convide para um chope. Faz eu dizer tudo ao contrário do que penso: nessa horas não sei aonde vão parar minhas ideias viris. Afino a voz, uso cinta-liga, faço strip-tease. Basta me segurar pela nuca e eu derreto, viro pão com manteiga, sirva-se. Sou tantas que mal consigo me distinguir. Sou estrategista, batalhadora, porém traída pela comoção. Num piscar de olhos fico terna, delicada. Acho que sou promiscua, doutor Lopes. São muitas mulheres numa só, e alguns homens também. Prepare-se para uma terapia de grupo.



Olá blog.

Não, eu não estou me sentindo bem e isso não é de hoje.

Me sinto inútil.

04 junho, 2011

Outro dia estava no mercado quando vi no final do corredor um amigo da época da escola, que não encontrava há séculos.
Feliz com o reencontro me aproximei já falando alto:

- Oswaldo, sua bichona! Quanto tempo!!!!

E fui com a mão estendida para cumprimentá-lo. Percebi que o Oswaldo me reconheceu, mas antes mesmo que pudesse chegar perto dele, só vi o meu braço sendo algemado.

- Você vai pra delegacia! Disse o policial que costuma frequentar o mercado.

Eu sem entender nada perguntei:

- Mas o que que eu fiz?

- HOMOFOBIA! Bichona é pejorativo, o correto seria chamá-lo de grande homossexual.

Nessa hora antes mesmo de eu me defender o Oswaldo interferiu tentando argumentar:

- Que isso doutor, o quatro-olhos é meu amigo antigo de escola, a gente se chama assim na camaradagem mesmo!!

- Ah, então você estudou vários anos com ele e sempre se trataram assim?

- Isso doutor, é coisa de criança!

E nessa hora o policial já emendou a outra ponta da algema no Oswaldo:

- Então você tá detido também.

Aí foi minha vez de intervir:

- Mas meu Deus, o que foi que ele fez?

- BULLYING! Te chamando de quatro-olhos por vários anos durante a escola.

Oswaldo então se desesperou:

- Que isso seu policial! A gente é amigo de infância! Tem amigo que eu não perdi o contato até hoje. Vim aqui comprar umas carnes prum churrasco com outro camarada que pode confirmar tudo!

E nessa hora eu vi o Jairzinho Pé-de-pato chegando perto da gente com 2 quilos de alcatra na mão.
Eu já vendo o circo armado nem mencionei o Pé-de-pato pra não piorar as coisas, mas ele sem entender nada ao ver o Oswaldo algemado já chegou falando:

- Que droga é essa negão, que que tu aprontou aí?

E aí não teve jeito, foram os três parar na delegacia e hoje estão respondendo processo por:
HOMOFOBIA, BULLYING e RACISMO.

Moral da história: Nos dias de hoje é um perigo encontrar velhos amigos!

10 maio, 2011

Alinhar à direitaEntão, que fique claro.
Bem claro.
Eu amo você!
Ai como esses dias estão me torturando, nós torturando.
Eu penso sim em como vai ser quando tudo acontecer, mais eu não posso desistir.
Só pensar em ficar longe de você, tudo fica sem vida [p/ mim]

11 fevereiro, 2011

Ta então vamos lá a MAIS UM DIA DE BLOG [FOREVER].
Digamos que estou começando o texto um tanto feliz, por hora estou bem [fora um “problema” que um dia ai quando eu decidir irá se resolver].
Trabalho está tudo bem.
Em casa ta bem “daquele jeito”
Parentes, acho que estão bem...
Amizades FOREVER :D
Na verdade trabalho ás vezes me mata, mas preciso pagar minhas contas que explodem no final do mês ‘tenso’!!
Hoje me peguei olhando para onde não devia no ônibus e claro como sempre foi muito engraçado, como acho que a outra pessoa já tinha percebido pela minha “secagem” tive que olhar para o outro lado e começar a rir sozinha e continuar cantando... Ah! Quando lembro ainda é muito engraçado.
...
Novidade do mês.: Voltei a escutar Biquíni Cavadão. Yes! Baby isso é uma vitória, pois eu não escutava desde................................. Ahhh faz muito tempo. Um tempo que está passando.
...
Incrível não acha?.. É certo quando digo que Deus escreve certo em linhas tortas.
É como digo a minha amiga Karol “Deus está vendo tudo, e o pior é isso que ele vê tudo mesmo” [risos]...
...
Essa semana tive uns pensamentos meio bizarros, mais EU me divirto com eles.
Enfim... Vou voltar a escutar meu som e termino a escuta de...
♪ Vanguart – Last days Of Romance.

A melhor maneira de prever o futuro é inventar

05 fevereiro, 2011

Nós não somos o que gostaríamos de ser.
Nós não somos o que ainda iremos ser.
Mas, graças a Deus, Não somos mais quem nós éramos.
Martin Lu

Eu acho que quando realmente começa a cair a ficha do que passou tua dor já não é tão grande assim, se dar ao luxo de pensar em quem perdeu, é ainda estranho por que teu coração tem vontade própria e ainda palpita por isso. Mas é feio fazer com que outras pessoas se sintam mal pelo o que aconteceu contigo, aliás o peso é só teu e só você pode jogar ele no abismo e só você pode ter a certeza que um dia esse peso não irá voltar mais a te atormentar.
Day..

27 janeiro, 2011

Eis uma frase, uma verdade, um verso: dá pra escolher.
Todo dia, ao levantar da cama, eu procuro me lembrar: dá pra escolher.
Nem eu nem você estamos jogados ao léu, nas mãos do destino. Não temos controle sobre tudo, mas dá pra escolher entre ter amigos ou viver recluso,
dá pra escolher entre privilegiar um amor ou ter vários casos superficiais,
dá pra escolher entre participar ativamente de um projeto que alavanque nosso bem-estar ou ficar de fora apenas criticando,
dá pra escolher entre se refugiar num lugar tranquilo ou aprender a lidar com o stress urbano,
dá pra escolher entre levar a vida com bom-humor ou levar a vida na ponta da faca.
Tudo é uma escolha, inclusive ser velho ou ser jovem, e isto não se resolve apenas numa clínica de estética. Todas as nossas escolhas passam pelo estado de espírito. É ele que vai determinar se vamos viver uma vida mais simples ou mais complicada, mais solitária ou mais social, mais produtiva ou mais lerda. Dá pra escolher entre ser carnívoro ou vegetariano, entre fumar ou não, entre correr na praia ou ficar um pouco mais na cama, entre jogar paciência ou ler um livro, entre amores serenos ou amores turbulentos. Se a escolha será acertada, aí já é outro assunto, o futuro vai dizer.
Pensando bem, acertos e erros nem estão em pauta aqui. O que importa é ter consciência de que ficar sentado esperando que a vida escolha por nós não é uma opção confortável como parece.
Descansados da silva, vem o tempo e créu: nos ultrapassa.
(Martha Medeiros)

21 janeiro, 2011

Acho que gosto de sofrer por águas passadas, só pode ser isso, ou há outra explicação?
Tem coisas das coisas ainda não sei lidar. "prefiro pensar assim"
Quero uma lavagem cerebral para então assim "voltar ao normal". Mas penso se voltar ao antes, bem antes, e se caso aconteça de novo; irei precisar de outra lavagem??
É um mistério então!!

...........Para que escrevo? E eu sei? Sei não.

...........Sim, é verdade, às vezes também penso que eu não sou eu,
...........Pareço pertencer a uma galáxia longínqua de tão estranho que sou de mim.
...........Sou eu? Espanto-me com o meu encontro.

...................in A Hora da Estrela

...................Clarice Lispector